Número de idosos no transporte coletivo de Porto Velho aumentou 30% durante pandemia de coronavírus

Contrariando as recomendações do Ministério da Saúde em evitar saídas desnecessárias, idosos de Porto Velho tem utilizado mais o transporte coletivo durante a pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a Secretaria Municipal de Trânsito, Mobilidade e Transportes (Semtran), o número de idosos dentro dos ônibus da capital aumentou em 30% durante as últimas semanas. Os dados são do Consórcio SIM, que mensurou os números com base na quantidade de “passes livres”.

A preocupação das autoridades se baseia em informações tiradas dos relatórios da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde que colocam as pessoas com mais de 60 anos entre os mais vulneráveis a doenças infectocontagiosas, como a Covid-19 causada pelo novo coronavírus.

O isolamento social desse grupo é para evitar o contágio que pode ser fatal. Segundo o médico infectologista Caio Rosenthal, uma série de fatores colabora para que esse grupo seja mais afetado que a população em geral. Veja, abaixo, alguns deles:

  • sistema imunológico dos idosos costuma ser deficiente por causa da idade
  • Mesmo as vacinas tomadas na juventude já não são tão eficazes, portanto há menos anticorpos no organismo
  • Os pulmões e mucosas tornam-se mais frágeis e vulneráveis a doenças virais
  • O idoso costuma engasgar e aspirar mais, inclusive levando mais a mão à boca, aumentando o risco de contágio
  • Ele também vai a hospitais com mais frequência, ficando mais exposto a micro-organismos

As outras recomendações, diz o médico, são as mesmas destinadas a outras faixas da população: lavar bem as mãos, afastar-se de pessoas com suspeita de infecção e tentar não levar uma vida sedentária – além de não fumar.

Fonte: G1.Globo